Quanto custa, moço?

Rua augusta, 21:44, 16 de janeiro de 2018
— Opa cara, tudo bem com você?
— Tudo sim!
— Você me dá licença, é rapidinho, não quero atrapalhar sua bebedeira…
— Pode falar…
— Eu sou escritor, venho do interior de São Paulo, e costumo passar nos bares oferencendo meu livro de poesia, tá a fim de dar uma olhada?
— Poesia?
— É
— Ah não fala isso não cara…
— Por que?
— Putz, curto demais poesia
— A é…
— Sim, poesia, amor, essas coisas
— Poxa, tô com o livro aqui ó…
— Ahh deixa eu ver, hummm, e você tá vendendo?
— Tô sim mano, 20tão
— Então cara, eu queria ficar com um, mas nois tamo com um pobrema lá na firma que eu não sei que dia vou receber, mas eu curto demais poesia cara, eu trabalho em uma dedetizadora sabe, e ela tá atrasando o salário, eu amo poesia, mas não sei se posso te pagar não
— Toma cara, leva um e me paga quando der
— pode ser lá pro dia 25?
— pode
— sério mesmo cara? Eu nunca li um livro de poesia a prazo
— e eu nunca recebi um pagamento tão à vista assim… vai lá leva, e as poesias de amor estão no capítulo 5…
— o valeu mesmo cara! Vou ler tudo e depois te passo se gostei…
— vai passar no débito ou no crédito?
— o que?
— nada não, falou cara, espero que goste… abraços….

Renan Chiaparini

About Renan Chiaparini

Poeta, cronista e romancista. Gostaria de ter vivido a época de folhetins. Participa de discussões sobre cometas, maquinas do tempo e lê manual de instruções para melhor uso de sua maquina de lavar. Tem poemas publicados na Revista CULT da UOL, Mallamargens e está prestes a publicar seu próximo romance "Dentre todas as pessoas, eu prefiro as putas".

View all posts by Renan Chiaparini →

One Comment on “Quanto custa, moço?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *