Eu nunca menti dizendo eu te amo (vídeo poema)

A mentira tem cabelos cacheados.
A mentira anda de moto e usa Grindr.
A mentira beija na boca e olha nos olhos.
A mentira, às vezes, parece
com alguém que a gente ama.
A mentira têm mãos sedosas
e muitas vezes passa perfume.
A mentira ganha dinheiro fácil.
A mentira não te assume no facebook.
Ou finge que sim.
A mentira dá bom dia e leva café na cama.
A mentira usa short curto
e adora fazer comida
E quase sempre não gagueja
quando diz “eu te amo”.
A mentira acorda cedo
mas nem sempre toma banho.
A mentira deixa a casa toda bagunçada
E muitas vezes espera por visita.
A mentira também aprendeu
a falar baixo, quase sussurra.
A mentira sabe bem como
morder o pescoço.
A mentira se olhada mais
de perto tem olhos fundos.
A mentira adora rir como ninguém.
Mas também reclama
e comumente levanta a voz.
A mentira frequenta a academia
E faz sexo com a luz apagada.
A mentira faz carinhos frequentes.
Sabe bem como acariciar a pele.
A mentira tem cheiro de erva doce
E adora passeios públicos.
A mentira é simpática
e tem mãos aveludadas.
A mentira aprendeu direitinho
a se esconder na gaveta da cômoda.
A mentira tem pernas largas
E sabe bem como sair correndo.
A mentira também se despede mais cedo,
Vai embora sem dar aviso.
A mentira é especialista em deixar saudade!

(Ítalo Lima)

Ítalo Lima

About Ítalo Lima

Ítalo Lima nasceu em Teresina/PI. Formado em Publicidade e Propaganda e cheio de inquietações na pele. Poeta em estado constante de aflição. Amante confesso da palavra desde a infância, mas foi a partir dos 18 anos que assumiu abertamente o ofício como poeta. Em 2014 criou o projeto no Instagram (@italolimapoesias) onde vende poesia em moldura e até hoje vem curando a solidão através de quadros poéticos. Da solidão ao erotismo, cada verso parece rasgar a pele sem nem sequer pedir licença, inocente, o poeta Ítalo Lima escolheu a poesia como uma forma de retornar ao útero. Autor também da obra "Quando a gente se mata numa poesia", lançado em 2017, na Bienal do livro, no Rio de Janeiro.

View all posts by Ítalo Lima →